terça-feira, 19 de novembro de 2013

Primeira Quimera











Era outra vez primavera
Primeira verdade, primeiro verão,
Primeira quimera.
Flor de ópio nascendo no asfalto
Me deixando paralisado.
Silenciosa flor do lácio, 
Desejosa flor dos lábios
Que jamais foram tocados.
Flor de ébano em seus olhos
Iluminando os meus passos
Indicando o caminho errado.
Era outra vez ilusão:
Eu passando ao lado dela
Como fantasma pedindo atenção
Numa casa habitada por outro.
Já não era timidez.
Não era medo, nem covardia,
Era o som do meu coração
Que eu fingia que não batia.
Era outro reencontro,
Talvez um aperto de mãos,
Mas eu preferi chorar lá fora
Em silêncio, olhando de longe
A minha felicidade indo embora.
                                     (Alcides Vieira)



6 comentários:

  1. Cais de onde vem e vai o sonho. Lugar de riso e pranto, por vezes despedida e dor, só.

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Lídia! Suas palavras são encantadoras.

      Beijo!

      Excluir
  2. Boa noite, querido amigo!

    Quanta intensidade nesses versos, hein!
    Um mix de sentimento traduzidos em belos versos...
    Esse nosso poeta demora mas quando volta, impacta!!!

    Agora uma coisa interessante tenho observado: os poetas amam flores e fazem delas uma linda inspiraçao poética! Sem contar que nos apresentam diversas e exóticas espécies. Acabo de conhecer algumas aqui.
    A flor do Lácio é incrivelmente linda e me fez recordar Olavo Bilac.
    "Última flor do Lácio, inculta e bela,
    És a um tempo, esplendor e sepultura:
    ouro nativo, que na ganga impura
    A bruta mina entre os cascalhos vela
    [...]
    Amo o teu viço agreste e o teu aroma..."

    Ah!Os poetas são tão sensiveis!
    Como disse hoje la no Asas, que viajaria aqui, dito e feito.
    A proposito, obrigada pelo teu carinho, la viu?

    Linda a musica, tambem!

    Beijos ainda com saudades!
    Não demore...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amiga Lu Maravilha! Saudade de te chamar assim também.

      Os elementos masculinos são coadjuvantes nas construções dos poetas: o sol, o vento o mar. Já os femininos: flor, lua, estrela fazem mesmo parte do nosso universo. Talvez por serem tão belas quanto as mulheres.

      Beijo!

      Excluir
  3. Belo! Como sempre! Saudades de vc! Beijo teu coração!

    ResponderExcluir
  4. Saudade de você também, amiga cigana. Em breve te visito.

    Beijo!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...