segunda-feira, 19 de julho de 2010

Circo Americano

É um pouco complicado começar uma história pelo fim, mas foi assim que aconteceu:
O circo foi embora. Ficaram no chão apenas os redemoinhos formados pelo vento, revirando a poeira, os ingressos e papéis de balas.
Mas o cenário não é só isso. Há alguém em silêncio, montado em sua velha bicicleta, olhando o horizonte com a certeza de que chegara atrasado.
Lembrou-se do dia anterior, do palhaço, o mágico, a música, a mulher que voava no trapézio.
Lembrou-se do grande picadeiro e não queria acreditar que agora estava ali, vendo que tudo estava acabado. Seu mundo agora girava em torno do vazio, do céu alaranjado, do sol seguindo seu caminho monótono rumo ao poente.
Lembrou-se do globo da morte. Morte... nunca esta palavra lhe ocorrera com tanta intensidade, mas agora tudo estava acabado. Tudo estava morto.
As estrelas já começavam a surgir no céu.
Ele voltou para casa olhando a vitrine da padaria. Pensou em comprar balas, mas para que? Para que os papéis fossem jogados ao chão, misturando-se com os que já ali estavam?
Para que fossem levados pelo vento numa dança que só as pessoas sensíveis podem apreciar?
Não. Ele não comprou as balas. Em seu âmago ouviu uma voz que poderia ser de algum ser misterioso, mas sabia que era a sua voz:
- Acabou-se o que era doce!
Em casa não disse nada. Entrou em seu quarto e com lágrimas nos olhos adormeceu.
Acordou pela manhã sem se lembrar do que havia sonhado. Tomou seu café como sempre o fazia, com pressa para pegar sua velha bicicleta e sair pelas ruas na certeza de que era livre e de que com ela poderia ir onde quisesse.
Achou estranho quando um carro colorido passou por ele, mas logo após passar a padaria e olhar pela vitrine, pensando nas guloseimas, o mistério fora revelado. Um circo estava sendo montado e ele, maravilhado, ficou vendo tudo acontecer. Sabia que por alguns dias poderia ver o palhaço, o mágico, ouvir a música e ver as lindas pernas da trapezista.
Na volta para casa parou diante da vitrine pensando no que comprar. Viu seu rosto refletido e ele estava com ar de sorriso.
Aproximou-se do português e disse, decidido:
- Desta vez não quero balas. Eu quero um sonho!

22 comentários:

  1. Alcides,

    Quanto vale um sonho?Um texto que sugere várias interpretações, não sei se compreendi, mas entendi que a cada dia as esperanças se renovam, que nunca devemos desistir de nossos sonhos...
    Me perdoe se entendi errado...

    Um grande beijo e ótima semana, meu amigo...

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  2. Reggina,

    "...Tomou seu café como sempre o fazia, com pressa para pegar sua velha bicicleta e sair pelas ruas na certeza de que era livre e de que com ela poderia ir onde quisesse..."

    Como você disse, o texto sugere várias interpretações.

    A sua, perfeita, é uma delas.

    Um beijo!
    Alcides

    ResponderExcluir
  3. A vida é feita de muitos (re)começos... O seu texto está imbuído de um quotidiano próximo de muitos de nós.

    ResponderExcluir
  4. E quem não quer um sonho?!...

    Beijos
    Boa semana
    Angel

    ResponderExcluir
  5. O sonho esta em nós todas as noites, todos os dias, basta apenas sabermos disso

    Bela historia

    Beijis, boa semana

    ResponderExcluir
  6. É verdade Lídia,

    Quantos sonhos (re)começados... acordados... vividos.

    Beijos!
    Alcides

    ResponderExcluir
  7. Angel,

    Eu quero! Bem doce.

    Beijos!
    Alcides

    ResponderExcluir
  8. Feiticeira,

    Depois que inventamos a palavra tempo, esquecemos de sonhar.

    Um beijo!
    Alcides

    ResponderExcluir
  9. Olá, Alcides

    Passei para lhe parabenizar pelo texto.

    Bjo semana

    bjo

    ResponderExcluir
  10. Ai de nós se não tivessemos sonhos... são eles que enfunam as nossas velas! E não importa para onde o vento sopre: o sonho sempre nos leva bem alto!

    Bjs. e boa semana, Alcides!

    ResponderExcluir
  11. Alcides,

    Passando para agradecer a sua visita e desejar um ótimo dia, meu amigo!!

    Um beijo,

    Reggina Moon

    *Sim, a versão em francês/portugues, foi a que mais se adaptou a intenção da postagem...foi especial e dedicada a alguem...ok?rs

    ResponderExcluir
  12. Alcides querido,

    "Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!"

    (Vinícius de Moraes)

    FELIZ DIA DO AMIGO!!

    Beijos,

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  13. Tatha,

    Muito obrigado pela sua visita!

    Um beijo!
    Alcides

    ResponderExcluir
  14. Flor,

    Se não tivéssemos sonhos, talvez não tivéssemos sequer amigos.

    Beijos!
    Alcides

    ResponderExcluir
  15. Reggina,

    Um feliz Dia do Amigo para você também!

    Um beijo!
    Alcides

    ResponderExcluir
  16. ola vim aqui por uma dica na postagem "meninos e meninas! assim eu os defino..." do blog da Lu...
    nossa ja gostei de tudo que li!!

    to seguindo e voltarei mais vezes!

    bjinhus e um feliz dia do amigo!

    ResponderExcluir
  17. A você, Alcides, meu querido amigo virtual:

    "Amigos são como cultivadores de ostras.
    Tem um oceano oculto no coração, onde guardam as pessoas queridas.
    E com as afinidades, as conversas, os sorrisos, a sabedoria de ler nas entrelinhas,
    lendo olhares e silêncios, vão tecendo pérolas.
    O coração é o cofre da alma,
    onde as pérolas são guardadas no mar do carinho e do afeto sincero.
    E no meu coração já tem essas pérolas formadas..."

    Helen Drumond


    Feliz dia do Amigo!!!

    :)

    ResponderExcluir
  18. Querido Poeta,


    Existe Historia começada em estreitas ruas da madrugada
    Perdida em bruma incompleta de um sonho.
    São passos já cansados e arrastados
    Vestidos de nostalgia
    Respirando o pó do passado
    Onde o começo da historia é já o fim
    Em uma saudade madrasta.
    Mas, toda a historia começa em um sonho,
    Em ser livre como um pássaro
    Desenhar sem tinta nem papel uma vida em lábios comprados
    Tão distantes em murmúrios escaldantes
    Em sorrisos falsos de um palhaço.
    Apenas um dia de ser feliz já se basta.......
    ....Afinal São os sonhos que a vida comanda....
    Em sopros de ventos de lágrimas gotejam pelo chão
    São sonhos de folhas que marcam a emoção
    Como se fosse bola de algodão, tal qual tolos jogamos com a vida na nossa mão.
    Mas um outro dia nascera
    E o barco da existência anda em mar bravio
    Solto ao léu na tempestade
    Mas somo nós que remamos contra os sonhos
    E temos todos os dias a escolha de um sonho doce
    Ou um sonho apenas de ilusão

    Querido Alcides, todos temos a possibilidade de sonhar,mas muitos se esquecem que sem sonhos não temos o calor e as cores da vida
    Sonhar é para todos, saber viver os sonhos é para quem sabe viver a vida e não só passar pela vida :)
    Gostei, gosto das tuas historias.....

    Ontem foi o dia do amigo, mas na verdade todos os dias é o dia do amigo, porque todos os dias estas dentro do baú das minhas amizades.

    Mil beijos com verdadeira amizade

    Rachel

    ResponderExcluir
  19. Ola meu amigo!Delicia de histora do inicio ao fim!

    Um circo que nao se foi e sim chegou!
    Um vazio e lagrimas que eram apenas um sonho que nao se lembrou!
    No final, um sorriso e um desejado sonho,dessa vez, doce e real!
    Muito lindo!Qro+(rs)

    Passei aqui ontem mas nao deu pra falar:Essa minha meia ausencia nao me fará te esquecer de jeito nenhum!Sempre que der virei lhe visitar!
    Muito obrigada pelo carinho e pela doce amizade!

    Beijo carinhoso desta amiga que muito lhe admira!

    ResponderExcluir
  20. Diana,

    Obrigado pela visita. Volte quando quiser!

    Um beijo!
    Alcides

    ResponderExcluir
  21. Muito bom receber pérolas de uma Flor!

    Obrigado!

    Beijos!
    Alcides

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...